sexta-feira, 30 de setembro de 2011


Saúde da Mulher


Uma pesquisa descobriu que 65% das mulheres grávidas não praticam exercícios durante a gestação. O sedentarismo aumenta o risco de hipertensão e diabetes. Veja a seguir as atividade físicas que podem ser praticadas por grávidas. Pilates - De acordo com o presidente do Celafiscs, Timóteo Araújo, o diferencial do pilates é o fato de ser individual, pois assim a mulher grávida tem um acompanhamento mais detalhado e exclusivo do profissional.

sábado, 10 de setembro de 2011

Receita de Sushi



 
 
 
Ingredientes:
  • 2 folhas de alga nori;
  • 4 xícaras de arroz japonês cozido somente em água;
  • 2 colheres de sopa de su (vinagre de arroz);
  • 2 colheres de sopa de saquê;
  • 1/2 lata de atum sólido ou 1 lata de polvo em conserva;
  • salsa e cebolinhas picadas (ou nira);
  • 2 colheres de sopa de gergelim branco;
  • 2 colheres de sopa de gergelim preto;
  • sal.

Modo de preparo:

Cozimento do Arroz:

  1. Lavar bem 2 xícaras de arroz japonês, colocar numa panela c/ 3 xícaras e 2/3 de água fria e levar ao fogo.
  2. Quando ferver, abaixar o fogo, tampar a panela, deixando uma abertura, p/ sair o excesso de vapor.
  3. Após cinco minutos de fervura, desligar o fogo, tampar bem a panela e deixar que o arroz cozinhe naturalmente.
  4. Depois de frio, colocar 4 xícaras do arroz cozido numa tigela, temperando c/ su, saquê e algumas (poucas) pitadas de sal.
  5. Misturar bem e dividir em 2 porções. Reservar.

Recheio:

  1. Desfiar ligeiramente o atum (ou cortar em pedacinhos o polvo).
  2. Colocar o atum (ou polvo) numa frigideira anti-aderente, usando um pouco do óleo em que veio conservado.
  3. Acrescentar a salsa, cebolinha e o gergelim.
  4. Levar ao fogo p/ fritar, sempre mexendo, até que seque um pouco.
  5. Separar em 2 porções e esperar esfriar.

Montagem do sushi:

1. Colocar 1 folha de nori na esteira de bambu — o lugar deve ser bem seco, pois o nori não pode molhar.
2. Despejar 1 das porções reservadas do arroz e espalhar por igual em toda a superfície do nori c/ as mãos umedecidas no su, ou c/ o auxílio de uma colher.
3. Assentar bem, deixando sem arroz apenas uma das extremidades – uma faixa de aproximadamente 2,5 cm, na qual será finalizado o enrolamento.
4. Colocar na extremidade oposta 1 porção do recheio em forma de filete, afastado aproximadamente 2,5 cm da borda (foto 1).
Como fazer sushi enrolado (makizushi) - foto 1
Como fazer sushi enrolado (makizushi) - foto 1
5. Começar a enrolar, como rocambole, cuidadosamente, c/ um pouco de pressão, pela extremidade do recheio, atentando p/ que toda a extensão do rolo fique c/ a mesma espessura, podendo ser usada uma faca p/ auxiliar (foto 2).
Como fazer sushi enrolado (makizushi) - foto 2
Como fazer sushi enrolado (makizushi) - foto 2
6. Ir enrolando c/ a ajuda da esteira (foto 3) até chegar na extremidade oposta (sem arroz).
Como fazer sushi enrolado (makizushi) - foto 3
Como fazer sushi enrolado (makizushi) - foto 3
7. Pressionar bem p/ obter boa aderência (foto 4).
Como fazer sushi enrolado (makizushi) - foto 4
Como fazer sushi enrolado (makizushi) - foto 4
8. Retirar da esteira e cortar em fatias de 2 cm, numa superfície lisa, lavando a faca em água corrente ou limpando-a c/ papel-toalha úmido, sempre que necessário (foto 5). Proceder do mesmo modo p/ fazer mais um rolo c/ o restante.
Como fazer sushi enrolado (makizushi) - foto 5
Como fazer sushi enrolado (makizushi) - foto 5
9. Colocar por cima de cada sushi um pouco de gergelim p/ enfeitar (foto 6).
Como fazer sushi enrolado (makizushi) - foto 6
Como fazer sushi enrolado (makizushi) - foto 6
Dicas: o recheio pode ser variado, usando-se a mesma quantidade de atum, salsinha e cebolinhas picadas, tirinhas ligeiramente cozidas de cenoura e repolho roxo.
Rendimento: 14 peças.

Yoga Para Pequenos

Yoga para os pequenos

Elas têm energia de sobra. Por isso, uma aula de yoga  para criança parece uma tarefa impossível. Apesar disso, a prática se difunde cada vez mais entre os pequenos. “Adoro a postura da águia, porque ela tem força e equilíbrio”, diz Isabel Mendes, de apenas 7 anos. "Ela gosta muito também da saudação ao sol. Vive fazendo aqui em casa", conta a mãe, a jornalista Larissa Ribeiro que, em vão, tenta convencer a filha a voltar para a natação. “Ela já sabe nadar, mas achamos que precisa melhorar o estilo e pegar mais segurança. Mas ela não gosta, não tem jeito, só quer saber da yoga”.

A professora Carla Vollmer dá aulas para crianças de cinco a dez anos na Sauer Danças, no Rio de Janeiro.  “Eu quis dar aulas para crianças porque eu adoro trabalhar com crianças e vejo como os meus filhos (foto) curtem fazer yoga. Crianças nessa idade são muito abertas, é fácil ensiná-las sobre respiração e concentração, e quanto mais cedo temos contato com as possibilidades do nosso corpo e a capacidade de sentir uma calma interior, mais centrados poderemos ser”, explica. Qual a idade para começar? “A partir de 5 anos eu acho que já dá pra ensinar algumas coisinhas. As meninas geralmente são um pouco mais calmas...”, explica Carla.

A yoga traz muitos benefícios. A professora enumera alguns: “a criança cria auto confiança à medida que vai aprendendo os ásanas dentro de um ambiente não competitivo. Elas entram em contato com a respiração e podem usá-la para encontrar mais calma em momentos difíceis ou de estresse. Procuro colocá-las em contato com as sensações do corpo para aprenderem a ter mais consciência das emoções quando elas afloram. E a maioria das crianças adora saber que tem a capacidade de fazer um sapo, uma tartaruga, o leão, e se divertem”, diz.
Seus filhos, de quatro e dois anos, praticam desde os dois. É que ela e o marido, o também professor Matthew Vollmer, respiram yoga. Mas não são apenas as posturas. O professor Fernando Rebelo Costa, que ensina na Escola Parque, ressalta a diversidade. "Além dos ásanas, existem práticas de mantra, cidadania, trabalho interno, meditação. Tudo isso faz parte da yoga como um grande conjunto. A yoga permite um autoconhecimento mais profundo e facilita atingir o potencial que cada um tem como ser humano", diz. Para ele, fundamental é individualizar a aula. "Cada criança tem seu próprio tempo. Também é preciso transfomar a aula em numa experiência  lúdica", explica.
 

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

SHIATSU

Massagem terapêutica japonesa que consiste em pressionar determinados pontos no corpo, chamados tsubos, pontos vitais para o equilíbrio físico e energético do corpo, através do restabelecimento do fluxo do Ki, a energia vital. É utilizada para tratar diversos tipos de sintomas e desequilíbrios.
Muito mais que uma massagem, o shiatsu é uma forma natural de fortalecer a energia vital e manter a saúde e o bem estar.

Indicações

  • Tensões e dores musculares
  • Estresse
  • Enxaqueca
  • Dores na coluna vertebral
  • Problemas respiratórios
  • Correção postural

O que é o Shiatsu e sua origem

O shiatsu consiste em pressionar determinados pontos chamados tsubos que formam linhas ou canais de energia pelo corpo. Esses canais são chamados meridianos e se relacionam com os órgãos internos. A energia vital que flui por esses canais ou meridianos é chamada Ki, em japonês, ou Chi em chinês.
Shiatsu literalmente significa pressão com os dedos: "shi" significa dedos e "atsu" significa pressão ou contato.
O shiatsu tem a finalidade de equilibrar e restabelecer o fluxo do Ki nos meridianos.
Na Medicina Oriental, a doença é uma estagnação do Ki, um bloqueio no fluxo do Ki, um desequilíbrio na energia da pessoa e uma das formas para restabelecer o fluxo do Ki, é através do shiatsu. Pressionando os pontos do meridiano o órgão irá produzir mais Ki para circular na área com energia estagnada ou com dor.
O Shiatsu é uma técnica terapêutica japonesa e faz parte da Medicina Oriental, teve sua origem na China.
A Tradicional Medicina Chinesa foi levada para o Japão aproximadamente no século X a.C, quando os chineses invadiram o Japão.
O Tao Yinn: um sistema que pertencia a Tradicional Medicina Chinesa, que consistia de exercícios voltados para a saúde, combinavam auto-massagem e movimentos para desintoxicar e rejuvenescer. O Tao Yinn associado a outras técnicas deu origem a uma massagem chamada Anma, que por sua vez, deu origem ao shiatsu.
No século XX terapeutas japoneses desenvolveram o shiatsu de uma forma terapêutica profissional, entre os mais destacados, Tokujiro Namikoshi e Shizuto Masunaga. Desde a década de 50 o shiatsu foi reconhecido pelo governo japonês como terapia. É reconhecido pelo Ministério da Saúde do Japão como "uma forma de manipulação que visa corrigir o mau funcionamento interno, promover e manter a saúde e tratar de doenças específicas".
O shiatsu se tornou mais conhecido na Europa e Estados Unidos na década de 70 e, no Brasil, o shiatsu veio através dos imigrantes japoneses ficando restrito à  colônia nipônica e só em 1980 se tornou mais divulgado.

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Yoga para Gestantes
 
 
 
 
No período de gestação, embora a mulher freqüentemente sinta-se frágil, descobre em seu interior um imenso potencial criativo e força total para se auto-superar, desenvolvendo a consciência espiritual e o amor infinito para receber o novo ser que está para chegar.

O yoga entra neste período mágico da vida, como precioso instrumento de autoconhecimento e de fortalecimento da saúde, preparando a mãe: física, emocional, energética, psicológica e espiritualmente.

Os exercícios psicofísicos (ásanas):
•    Melhoram a circulação sangüínea e linfática evitando câimbras e varizes;
•    Fortalecem os músculos gerais, principalmente os músculos do períneo, que sustentam os órgãos reprodutores e os para-vertebrais, que sustentam a coluna;
•    Equilibram o eixo vertebral, a fim de evitar má postura e dores lombares;
•    Ampliam a abertura pélvica e favorecem a dilatação, adequando a passagem à medida ideal para seu bebê.

Os exercícios respiratórios (pránáyámas):
•    Aumentam a capacidade pulmonar da mãe;
•    Permitem a boa respiração do bebê;
•    Favorecem a oxigenação dos tecidos;
•    Proporcionam vitalidade e alegria.

Na prática de relaxamento e meditação (yoganidrá e dhyána) a mãe:
•    Conversa com o bebê, emanando vibrações de afeto, segurança e tranqüilidade;
•    Determina a seu corpo que aperfeiçoe todas as condições a um parto rápido e feliz.
•    Assimila pensamentos positivos de saúde, harmonia e sucesso.

Desta forma, o conjunto de técnicas do yoga desenvolve na mulher a consciência corporal e a estrutura emocional tão necessária à fase gestacional, ao momento do parto e ao período pós-parto, mantendo-a confiante, serena e repleta da beleza divina.

Ter um bebê é a realização de um ritual de início da vida. É o momento onde devemos nos entregar totalmente às forças da criação.  È a mais bela prece, a mais intensa das meditações.
3 Usuários(s):
.